domingo, 19 de novembro de 2017

Declaração sobre a Missa nova e o Papa


No transcurso destes dez anos tive a ocasião de responder muitas vezes a perguntas que são muito graves. Sempre me esforcei por permanecer dentro do espírito da Igreja, conforme aos seus princípios teológicos que expressam a sua fé e a sua prudência pastoral, manifestados dentro da teologia e através da experiência da sua história.
Creio poder dizer que não mudei de opinião sobre estes temas e que felizmente este pensamento é o da grande maioria dos padres e fiéis aderidos à Tradição infalível da Igreja. Certamente estas linhas são insuficientes para fazer um estudo exaustivo desses problemas. Mas antes de tudo trata-se de expor claramente algumas conclusões para não se equivocar sobre as orientações e pensamentos da Fraternidade Sacerdotal São Pio X.

Sobre a Missa nova

A respeito da Missa nova, desfaçamos imediatamente esta ideia absurda: Se a Missa nova é válida, então se pode participar dela. A Igreja sempre proibiu os fiéis de assistir às Missas dos cismáticos e dos hereges, ainda que fossem válidas. É evidente que não se pode participar de Missas sacrílegas, nem em Missas que colocam a nossa fé em perigo.
Além disso, é fácil demonstrar que a Missa nova, tal como foi formulada pela Comissão de Liturgia, com todas as autorizações dadas pelo Concílio de uma maneira oficial, e com todas as explicações dadas por Monsenhor Bugnini, apresenta uma aproximação inexplicável à teologia e ao culto dos protestantes.
Assim, por exemplo, não aparecem muito claramente, e até se contradizem, os dogmas fundamentais da Santa Missa, que são os seguintes: – só o Sacerdote é o único ministro; – há um verdadeiro sacrifício, uma ação sacrifical; – a Vitima é Nosso Senhor Jesus Cisto, presente na Hóstia sob as espécies de pão e de vinho com o seu corpo, sangue, alma e divindade; – é um sacrifício propiciatório; – o Sacrifício e o Sacramento se realizam com as palavras da Consagração e não com as palavras que a precedem ou seguem.